Entenda como e quando usar dados públicos para análise de negócios

Uma das estratégias mais interessantes de business intelligence é o cruzamento e a análise de dados públicos com dados internos da empresa. Com isso, é possível gerar mais conhecimento útil para a companhia, criar previsões e insights valiosos para as escolhas diárias e aumentar a rentabilidade dos negócios.

Mesmo que seja uma tendência cada vez mais difundida, muitos gestores ainda não sabem onde encontrar essas informações, como analisá-las, nem qual ferramenta utilizar no processo. E é justamente sobre isso que iremos tratar neste artigo. Confira!

O que são dados públicos?

Os dados públicos são informações abertas para qualquer pessoa, ou seja, que podem analisados e redistribuídos por qualquer um. Muitas pessoas pensam que os dados públicos referem-se somente aos disponibilizados por órgãos governamentais.

No entanto, esse conceito é mais amplo e abrange, muitos dos dados que são publicados por institutos privados são dados públicos. A expressão dados abertos pode ser compreendida como um sinônimo que esclarece a ideia do conceito.

Exemplos

Um exemplo disso são as informações de cadastro de empregados e desempregados (CAGED), que são publicadas pelo Ministério do Trabalho e estão abertas para visualização e análise. Da mesma forma, os dados sobre a cotação do dólar, que são expostos pelo Banco Central, e informações sobre os meios de transporte coletivo de uma cidade.

Até pouco tempo atrás, a maioria das pessoas ainda não tinha conhecimento dessa infinidade de informações disponíveis gratuitamente. Ultimamente, os dados públicos parecem estar sendo “descobertos” e começam a ser usados para diversos fins.

Um deles é a programação de sistemas, que utiliza as informações disponíveis para gerar praticidade e resolver problemas pontuais, como os softwares de monitoramento de ônibus em cidades.

É possível usar dados públicos para fazer análise de negócios?

Outra aplicação comum é na análise de negócios. É possível utilizar as bases gratuitas para isso. A estratégia é também extremamente benéfica, pois agrega maior facilidade e velocidade na coleta e no estudo.

Os dados públicos podem servir de entrada para um software de BI, por exemplo, e ajudar na geração de insights relevantes e relatórios precisos para a tomada de decisão.

Essa estratégia economiza bastante tempo da equipe, pois dispensa a necessidade de esforço com pesquisas de mercado ou de aquisição de uma fonte externa.

Aplicações

Quando o analista combina informações públicas com bases internas da empresa, as possibilidades são inúmeras. Com os dados do CAGED, é possível, por exemplo, obter revelações sobre contratações e salários de um determinado cargo para conduzir uma decisão no setor de Recursos Humanos.

Já com os relatórios da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), a companhia pode estudar se os produtos que ela vende são procurados em outras regiões e descobrir para onde o nosso país exporta determinadas mercadorias.

A utilização de dados sobre a população de um município pode ser estudada em comparação com o índice de vendas. Com isso, é possível identificar se um mercado está sendo pouco atendido ou se existe alguma falha nas abordagens de vendas em um local. Isso pode orientar decisões nas áreas de marketing e vendas de uma maneira rápida.

Outros exemplos são: frota de veículos de uma cidade, dados sobre o ensino superior — como números de alunos, evasão, quantidade de novatos e repetentes etc. Tudo isso segmentado por localidade, região, estado, entre outros.

Ou seja: existem informações valiosas para praticamente qualquer nicho de mercado. Todos eles capazes de realizar análises inteligentes com esses insights.

Complementos

É possível, ainda, explorar comparações de informações de mercado com métricas internas e obter uma visualização mais ampla do estado do negócio e da competitividade. O auxílio de uma ferramenta de análise permite traçar correlações inteligentes entre as diferentes fontes para decisões mais seguras e confiáveis e previsões acertadas.

Isso pode ser utilizado em conjunto com pesquisas comuns, a fim de complementar a capacidade de visualização e expandir a compreensão. Existe um grande potencial em usar essas diferentes fontes de maneira integrada.

Assim, a empresa é capaz de conhecer melhor seus clientes, prever cenários, identificar oportunidades, responder rapidamente a situações de crise e acompanhar de perto o crescimento. Isso gera um bom destaque competitivo e a qualifica como uma companhia que sabe utilizar dados para tomar decisões.

Como os dados públicos são obtidos?

As informações públicas podem ser encontradas para acesso e para download em sites da internet. Por exemplo, as estatísticas do IBGE estão disponíveis no domínio do instituto na web. Assim também os do CAPES, os de portais de transparência, entre outros.

Da mesma forma, os dados de outros órgãos do setor público e privado estão acessíveis na rede. O acesso é tão simples quanto baixar um relatório de pesquisa em formato PDF, por exemplo.

Quais as ferramentas utilizadas?

A grande complexidade, no entanto, está na fase de análise. Boa parte das pessoas que encontram as bases não conseguem entendê-las, por conta da forma como estão estruturadas e do grande volume. Os insights geralmente estão em estado bruto e precisam de lapidação.

Contudo, diversas ferramentas são propostas para facilitar esse trabalho e permitir um estudo completo. Uma delas é o Power BI, da Microsoft. Veremos alguns pontos relevantes sobre essa aplicação, a seguir.

Integração

O sistema da Microsoft possibilita que diversas fontes sejam integradas de forma prática e que relatórios interativos e intuitivos sejam criados. Com ele, a equipe processa somente as métricas e indicadores que são importantes e consegue desenvolver painéis personalizados que atendem às necessidades específicas do negócio.

Também é possível, facilmente, conseguir uma interação entre os dados externos com os das bases da empresa. Funciona como se algum estrangeiro viesse ao Brasil e já começasse a se comunicar em português instantaneamente. Essa praticidade influencia os resultados e gera pesquisas mais rápidas.

Com uma ferramenta como o Power BI, os colaboradores são capazes de extrair o máximo da análise de dados e do potencial das informações públicas disponíveis.

Democratização da análise

A aplicação da Microsoft se destaca por ser self-service, ou seja, permite que as informações sejam manipuladas e compreendidas facilmente por todos os funcionários envolvidos e não somente os com de conhecimento especializado.

Tudo isso contribui para que as decisões sejam tomadas em tempo real e para que a companhia não perca dinheiro. A agilidade no processamento dos dados otimiza, também, os outros setores dependentes.

As informações disponibilizadas gratuitamente na internet podem ser úteis para a geração de insights poderosos para os negócios. Para começar a usá-las, é preciso saber qual ferramenta adotar e seguir uma estratégia bem definida, pois existe uma certa complexidade associada ao volume e ao estado bruto em que são encontradas.

O Power BI pode contribuir com os analistas, agregando velocidade aos processos e democratizando o acesso e o entendimento das bases.

Quer um exemplo de análise de dados públicos?

Clique no botão abaixo e tenha acesso a análise dos dados do CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.
Aqui você encontra uma análise dos dados oficiais de admissões, demissões e salário médio por período, faixa etária, instrução, e você ainda pode filtrar os dados por cargo, setor, porte, região.