Posts

Entender como o Business Intelligence pode ajudar na análise dos dados da área de marketing e na otimização de resultados de campanhas é essencial para aumentar a competitividade e potencializar os negócios.

Na atualidade, o sucesso das empresas dependem cada vez mais da exploração dos principais benefícios resultantes do uso de ferramentas de business intelligence. Para tanto, é preciso conhecer as suas funções, bem como a sua aplicabilidade.

Dada a importância desse tema, abordaremos o que é, como funciona e de que forma o Business Intelligence pode representar a chance de maximizar os resultados no marketing de sua empresa., principalmente no marketing digital. Acompanhe!

O que é Business Intelligence?

O Business Intelligence é uma das tendências que tem sido bastante difundida entre os empreendedores que buscam novas estratégias de marketing e transformação digital. O cenário atual exige que os empreendedores conheçam a importância de dados bem apurados para arregimentar o seu negócio.

Para estar à frente da concorrência, os profissionais modernos precisam saber interpretar e aplicar algumas métricas para elaborar ações mais eficientes. É nesse momento que entra em cena o Business Intelligence: a possibilidade de garantir o upgrade necessário à performance do marketing digital.

O Business Intelligence — ou simplesmente BI — é o meio mais prático e seguro para atingir as metas da inteligência competitiva e potencializar os negócios.

Sinteticamente, a inteligência competitiva é vista como um processo informacional para direcionar tomadas de decisões mais estratégicas e seguras.

Como funciona essa ferramenta?

O Business Intelligence para o marketing surge como uma solução mais prática para facilitar todo o processo analítico dos dados e, também, permitir uma visão mais ampla sobre os seus indicadores de desempenho.

Diante do avanço tecnológico dos softwares de BI, há possibilidade de acompanhar, instantaneamente, os seus clientes no funil de vendas. Isso permite influenciar a decisão deles e torná-los parceiros mais fiéis da sua marca.

Além do mais, o BI pode ser utilizado para monitorar indicadores e resultados em todo o processo, desde a concepção inicial do plano de marketing (campanhas, custos, fornecedores) até a conversão e o retorno sobre o investimento. Isso permite analisar a estratégia utilizada e, ainda, aumenta as chances de melhorar a experiência do cliente por meio de uma oferta mais qualificado.

Quais os benefícios do Business Intelligence para o marketing?

O BI é um excelente recurso operacional de tecnologia de informação que utiliza os dados internos e externos para efetuar análises mais completas de vendas, mercado, preço. Com essa ferramenta, quem atua na área de marketing pode aproveitar a proatividade para engajar e alcançar o público da melhor forma possível.

Confira, agora, outras vantagens de utilizar o BI como uma possível solução para avaliar as métricas de desempenho do seu negócio:

  • possibilita a criação e validação de cenários
  • permite fazer previsões e análise de tendências
  • permite o acompanhamento, em tempo real dos resultados das campanhas;
  • concentra em um único painel (Dashboard) as informações e indicadores mais importantes;
  • possibilita melhor controle dos dados para análise;
  • ajuda a perceber o direcionamento de recursos;
  • auxilia na visão do fluxo comercial e pipeline de vendas da empresa;
  • torna a comunicação mais eficaz e integrada;
  • possibilita análises prescritivas e preditivas;
  • potencializa seus investimentos.

Percebe-se, então, que o uso do Business Intelligence para o marketing representa o diferencial de transformar o perfil da empresa, facilitar a rotina e torná-la mais proativa. Permite, ainda, a identificação precoce dos problemas e o direcionamento para ações mais eficazes.

Se você gostou deste artigo e quer implantar o Business Interlligence na área de marketing, leia também Quais são e como superar os desafios na implantação do BI. Ou, entre em contato conosco! Adoramos desafios e queremos ajudar.

A jornada do cliente (ou Customer Journey) é uma estratégia de modelagem de processos e de negócios que permite que as empresas gerenciem as interações com os clientes em todas as fases do seu ciclo de vida.

O objetivo é mapear a trajetória de interações dos clientes, desde o marketing até o pós-vendas e entender perfil, necessidade e comportamento para oferecer a eles os melhores produtos e serviços, no momento certo, utilizando a abordagem mais adequada.

Automatizar essa prática é uma das principais vantagens do CRM. Caso queria ir mais a fundo neste conceito, você está no lugar certo! Neste artigo, abordamos os grandes benefícios do CRM na jornada do cliente. Confira!

1. Armazenamento de dados dos clientes

Uma das coisas mais importantes na aplicação da jornada de clientes é saber quem é o seu público-alvo. Para ser capaz de identificar quem você deve atrair e conquistar, é preciso saber o máximo de informações possível sobre esses consumidores, desde dados cadastrais, como nome, endereço e afins, até o perfil do cliente, o feedback sobre a experiência de compra e assim por diante. Esses dados são importantes para a posterior elaboração de estratégias.

Com o auxílio desse tipo de ferramenta, é possível armazenar de forma automática todos os dados dos clientes, mesmo aqueles que são apenas clientes em potencial. As informações contidas nele podem ser facilmente acessadas e atualizadas.

2. Processo de automatização de ações

Fidelizar clientes se tornou algo bastante complexo, sobretudo após a transformação digital. Eles estão muito mais informados e igualmente mais exigentes. Cumprir as expectativas dos consumidores sobre produtos e serviços, bem como obviamente o nível de qualidade do atendimento é uma tarefa desafiadora.

Dentro dessa perspectiva, é fundamental haver ações de relacionamento que sejam automatizadas.  O objetivo disso é transformar em processos automáticos as ações e tarefas mais rotineiras do relacionamento com os clientes, desde a tarefa de envio da confirmação do pedido de venda, até a ligação de pós-vendas. Tornar o processo repetível e automatizar as atividades rotineiras fará com que o atendimento e as demais áreas foquem no que de fato é relevante: estratégia, satisfação e resultado.

3. Direcionamento de estratégias

A partir do momento em que você obtém informações dos prospects e clientes o passo seguinte é clusterização destes indivíduos em grupos semelhantes e a definição dos objetivos a serem alcançados.

Um bom exemplo é a aplicação do funil de vendas, que deve ser realizada com maestria, classificando o seu público consumidor em consonância com o estágio do funil que ele se encontra. Desse modo, com o direcionamento de estratégias e as ações de marketing e vendas serão mais eficazes.

Ou seja, objetivos diferentes como captação, conversão, retenção, fidelização, rentabilização ou recuperação exigem ações estratégicas distintas e abordagens direcionadas para cada grupo de cliente.

4. Criação de campanhas completas de relacionamento

Um ponto importantíssimo no processo de gestão da Jornada do Cliente (Customer Journey) é a criação de campanhas de marketing completas que atingem desde o prospect até o cliente fiel.

Com o CRM, fica fácil monitorar em que fase da jornada o cliente está e automatizar as ações de comunicação e de relacionamento que são estratégicas para a sua companhia, criando campanhas completas compostas dos mais diversos elementos (e-mail marketing, telefonema, social post etc) e para os diferentes estágios do Customer Journey.

5. Arquivamento do histórico de relação

É plenamente possível armazenar, de forma organizada, todo esse histórico de interações da sua empresa com os clientes e as respostas às ações. São arquivados contatos desde os primeiros momentos, nos quais o então consumidor em potencial está apenas “sondando” a companhia, até o período do pós-venda. Isso é igualmente essencial na estratégia de marketing e vendas da companhia, além de facilitar o atendimento.

As vantagens do CRM no Customer Journey são inúmeras, o que o torna uma maravilhosa ferramenta de automação, controle e gestão. No entanto, esse processo de automatização não pode fazer com que você se esqueça de que o cliente jamais deve ser tratado sob uma perspectiva generalizante.

Quer saber mais sobre a Jornada e o Ciclo de Vida do Cliente? Entenda o Lifetime Value (LTV) e a importância dessa métrica.

Saber quanto vale cada um dos seus clientes ao longo do tempo é essencial para planejar as estratégias e ações de CRM. Aprenda a calcular e aplicar o LTV na sua carteira de clientes e desenvolva ações de vendas e de relacionamento mais assertivas.

Conhecer qual o valor de cada cliente para a sua empresa é fundamental para o planejamento estratégico. Para descobrir este valor, você deverá calcular o lifetime value (LTV) de seus clientes.

O LTV é um indicador que representa o valor dos seus clientes em relação ao tempo em que eles se relacionarão com sua empresa. Com base nele, você desenvolverá os trabalhos de retenção, fidelização e rentabilização da sua carteira.

Acompanhe este post e descubra mais sobre o que é, como calcular e qual a importância de conhecer o lifetime value de seus clientes.

O que é o lifetime value?

Apesar de não ser algo tão novo, poucas empresas conhecem a importância da utilização desta métrica para auxiliar no aumento da rentabilidade e na retenção de clientes em suas carteiras.

O LTV representa a previsão dos rendimentos dos clientes no tempo em que se mantêm na base de clientes ativos de sua empresa. Deste modo, quanto mais tempo um cliente permanecer em sua empresa, maior será o seu LTV.

Para descobrir o LTV de seus clientes, é preciso que a empresa tenha alguns dados sobre seus clientes. Mas, em empresas com menos de um ano de atividade, podem existir algumas dificuldades por causa da escassez desses dados.

É importante que o empresário tenha em mente que o LTV não é um valor fixo que permanecerá inalterado com o decorrer dos anos, mas sim, algo que deverá ser revisto com alguma frequência.

Como calcular o LTV?

Atualmente, existem diversos teóricos que divergem sobre o cálculo exato do LTV e defendem diversos modelos para o cálculo. Contudo, uma dessas fórmulas é mais simples e lhe dará um resultado bastante concreto. Veja:

LTV = (valor total do produto ou serviço) X (número de transações ou vendas) X (tempo de relacionamento)

Para exemplificar o cálculo do LTV, vamos a um exemplo:

Uma metalúrgica fechou um contrato para fornecer peças para uma montadora por dois anos, sendo que o ticket médio é de R$ 60 mil por mês. Aplicando a fórmula, teremos o seguinte:

LTV = 60.000 (ticket médio) X 12 (número de transações) X 2 (tempo de relacionamento)

LTV = R$1.440.000,00

Este resultado apresenta somente o valor bruto do LTV deste cliente. Para saber o valor líquido (LTVL), você deverá subtrair do ticket médio de todos os custos inerentes às transações, como o custo de produção, taxas e impostos, transporte, etc.

Supondo que todos esses custos representem 35% do valor total das transações, teremos o seguinte cálculo:

LTVL = (60.000 – 35%) X 12 X 2

LTVL = 39.000 X 12 X 2

LTVL = 936.000

O valor líquido que este cliente representa para a sua empresa é de R$ 936 mil.

Qual a importância de calcular o LTV?

Ao saber quanto cada cliente vale para a sua empresa, é possível realizar projeções seguras de fluxo de caixa e embasar a tomada de decisões referentes aos investimentos em modernização e expansão de sua empresa.

Outro ponto importante é saber quais os clientes que rendem mais e realizar um trabalho mais intenso de retenção e fidelização, além de identificar qual o perfil de cliente que é mais rentável para que você busque outros com características semelhantes.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o que é o lifetime value e como calculá-lo, aproveite para assinar nosso newsletter e receber mais informações em seu e-mail!

Você sabe o que fazer para capturar leads mais qualificados, reduzir o tempo de negociação e melhorar a taxa de conversão das oportunidades em vendas? Nós contamos para você.

Para aumentar as vendas e a receita, uma empresa nem sempre precisa realizar investimentos maiores ou contratar mais pessoas. Às vezes, utilizar os recursos que ela possui de maneira mais inteligente e otimizar o processo de vendas já é suficiente.

Mas, afinal, como fazer isso? Se você quer conhecer as melhores estratégias para otimizar o processo de vendas e gerar excelentes resultados para o seu negócio, este post vai ajudá-lo! Confira nossas dicas!

Mantenha o foco nos clientes

Para vender mais, especialmente se o seu ramo é B2B, talvez você precise parar de pensar como vendedor, pelo menos por alguns instantes. Em vez disso, coloque-se no lugar do cliente. Agora, pense em por que você compraria o seu produto ou serviço.

Agindo dessa maneira, a equipe de vendas será capaz de desenhar um ciclo totalmente centrado no cliente e terá mais chances de ser bem-sucedida. O ciclo de vendas deve se adaptar à realidade do comprador, e não o contrário.
Aplique o pipeline de vendas

Para conseguir completar o processo de vendas com sucesso, a empresa e seus funcionários precisam, primeiro, conhecer as etapas dele.

O que chamamos de pipeline ou funil de vendas é uma excelente ferramenta para ajudar na construção de um bom ciclo de negociação. Confira agora como otimizar cada uma das etapas!

1. Prospecção

Por meio das ações de marketing e propaganda, seus clientes conhecerão a empresa. Aqui, é importante se preocupar em atingir a audiência certa para não jogar dinheiro fora com leads ou prospects não qualificados.

2. Apresentação

Durante a apresentação, tanto o cliente conhece a empresa quanto a organização conhece o comprador. Nessa etapa, é importante saber identificar quem vale a pena e não perder tempo ou recursos com empreendimentos ou pessoas que não se encaixam no perfil — por exemplo, por não terem o budget necessário.

3. Negociação

Chegou a hora de fazer propostas e provar que seu produto ou serviço vale a pena. Para não perder o cliente, fique atento aos sinais dele e use-os a seu favor.

4. Fechamento

É a conclusão do negócio propriamente dita. Nessa fase, vale frisar a importância de cumprir tudo o que foi prometido e levar satisfação ao cliente.

5. Pós-venda

Após a venda, é hora de se preocupar em fidelizar o seu recém-adquirido cliente. Lembre-se de que um parceiro recorrente pode custar muito menos do que conquistar um novo comprador.
Use as ferramentas certas

É importante ressaltar também que não basta conhecer e seguir o funil de vendas. É preciso planejar, medir e otimizar cada etapa para que a melhoria no processo seja contínua. Para fazer isso, você pode lançar mão de 2 importantes ferramentas: Business Intelligence e CRM.

1. Business Intelligence

BI é uma técnica para organizar, processar, analisar e monitorar um conjunto de dados e informações sobre determinado negócio. Nos processos de vendas, o Business Intelligence é essencial para monitorar a progressão do funil e medir resultados.

Uma ferramenta de Business Inteligence pode ajudar também na prospecção de clientes, fornecendo dados para que as ações de marketing sejam melhor direcionadas.

Em resumo, com uma estratégia de BI, será possível fazer um diagnóstico completo das vendas e planejar melhorias com base em dados concretos e plausíveis.

2. CRM

As ferramentas de CRM (Customer Relationship Management), como o próprio nome diz, são indispensáveis na gestão do relacionamento com os clientes.

Por meio do CRM, é possível registrar todas as interações da empresa com seus compradores, o que possibilita a identificação de falhas e oportunidades de melhoria.

Fazendo a gestão do relacionamento com o cliente, fica mais fácil identificar as oportunidades de negócio e o perfil exato deles. Além disso, as soluções de CRM podem dar mais mobilidade ao time de vendas.

Com elas, será possível acessar dados e números de qualquer lugar, aumentando a produtividade e melhorando o acesso à informação!

Portanto, podemos afirmar que uma solução de BI integrada a uma ferramenta de CRM pode fornecer dados e diretrizes valiosas para otimizar o processo de vendas e melhorar os resultados da empresa.

E você, quer ler mais artigos sobre vendas, gestão e negócios? Então assine a nossa newsletter e receba os melhores conteúdos!

Boa parte das empresas gasta mais tempo extraindo dados de diferentes fontes, consolidando informações, construindo gráficos e tabelas do que, de fato, analisando resultados e desenvolvendo estratégias. Descubra como o BI pode reverter esse quadro.

O acompanhamento dos indicadores de resultados e a análise de dados da companhia são práticas que sempre ajudam o gestor nos momentos de tomada de decisão. O fato é que, ao empregar mais inteligência nos seus negócios, você consegue administrar sua empresa com mais fluidez e segurança. E a integração dos sistemas e das diferentes fontes de dados de uma empresa trazem muitos benefícios nesse sentido. Já parou para pensar em como o Business Intelligence (BI) pode ajudá-lo nos processos decisórios e na gestão organizacional?

Mas, se você ainda não sabe do que se trata o Business Intelligence, não se preocupe! Neste post apresentaremos o conceito dessa metodologia e as principais vantagens obtidas com a sua implementação. Confira!

O que é Business Intelligence?

É um conjunto de técnicas e ferramentas que envolve o processo de coleta, organização, processamento, monitoramento, análise e compartilhamento de informações de negócios que suportam o processo de tomada de decisões e a gestão empresarial.

As ferramentas de BI favorecem a manipulação e análise dos dados, provenientes de diferentes fontes internas e externas, facilitando o acesso aos conteúdos históricos, auxiliando nas previsões, construindo cenários e orientando as estratégias.

Com esse recurso, a sua equipe consegue, de forma simples e rápida, coletar, analisar, processar e compartilhar, em tempo real, as informações fornecidas pelos diferentes sistemas da sua empresa — como sistemas de gestão (ERP), sistema de CRM, dados do seu site, dados do Google Analytics e muito mais.

Independentemente do porte da organização, em um mundo onde o volume de dados e informações está cada vez maior e mais volátil, a adoção de uma plataforma de Business Intelligence se faz mais do que necessária.

Por que o Business Intelligence é importante?

A vantagem de reunir conteúdos diversos em um único lugar exibindo-os através de painéis de dashboards é imprescindível para a gestão de qualquer tipo de empresa, sobretudo porque permite o confronto de dados advindos de diferentes fontes em uma visualização rápida em qualquer dispositivo. O resultado é uma avaliação mais consistente e mais estratégica dos dados e resultados da empresa.

Tudo isso favorece a capacidade de antever situações e ajuda a sua empresa a otimizar trabalho e ainda torna as atividades mais eficazes e promissoras.

Como o Business Intelligence pode melhorar o meu negócio?

Veja agora as principais vantagens que a implementação dessa estratégia pode proporcionar:
Suporte no planejamento

Tomar uma decisão correta depende (e muito!) do seu nível de conhecimento. Com o Business Intelligence, a sua equipe amplia a capacidade de organização de dados e esse comportamento impacta positivamente a implementação dos planos de ação de marketing e de vendas e no relacionamento com o cliente.

A interpretação crítica dessas referências cruzadas conduz seus gestores à obtenção de dados mais confiáveis, minimizando as distorções e os riscos. Por exemplo: se o objetivo é descobrir o desempenho dos vendedores ou as regiões com maior mercado potencial ou ainda quais filiais vendem mais, esse processo é essencial para obtenção de uma informação fidedigna, considerando que é uma análise que envolve muitas variáveis.

Melhorias na competitividade

O sucesso (ou fracasso) da sua empresa está diretamente relacionado à forma como as tarefas são conduzidas dentro do negócio. Nem sempre é fácil cuidar dos números e resultados do negócio, dos objetivos organizacionais e dos fluxos gerenciais e ainda do dia a dia da produção. Certamente, algum desses fatores, ainda que todos sejam importantes para a saúde da empresa, pode não receber a devida atenção. Resultado: menos poder de fogo no mercado.

E a melhor forma de corrigir as falhas que reduzem a competitividade é adotando o Business Intelligence, que lhe possibilitará avaliar as interferências internas e externas, abrindo caminho para intervenções mais assertivas e reduzindo as perdas de recursos da organização.

Na realidade, o monitoramento desses indicadores disponibiliza aos gestores subsídios para agilizar as decisões, principalmente as que se referem a ofertas, mudanças de preços e aumento das vendas. Então, o que o Business Intelligence faz é potencializar estratégias, planos e diagnósticos gerenciais.

Aumento nas vendas

Quando você oferece ao seu cliente soluções inteligentes para negociar com a sua empresa, isso se reflete automaticamente nas vendas. Afinal, cada passo da experiência do comprador deve ser pensado, analisado e implementado.

As ferramentas de BI trazem clareza ao processo de vendas e ainda (re)direcionam o pensamento dos seus gestores, capacitando-os para investir em novos projetos voltados para aumentar a lucratividade.

No dia a dia, não é simples manter todos os dados em ordem. E mais: sem organização, fica impossível manter o controle das informações relevantes. É aí que entra o Business Intelligence, indicando o melhor caminho para vender mais e aumentar os lucros.

Suporte para decisões estratégicas

Com o uso do Business Intelligence, a empresa consegue obter informações consolidadas, agrupadas e sintetizadas, que subsidiam e facilitam a tomada de decisões estratégicas. Normalmente, dentro de organizações que desconhecem os benefícios dessa metodologia inovadora, há uma sobrecarga ou uma desorganização no fornecimento de dados aos gestores, o que atrapalha o processo decisório, sobretudo em momentos cruciais.

O resultado pode ser catastrófico, podendo levar a:

decisões equivocadas: a falta de organização em arquivos importantes levam a uma confusão na hora de identificar os dados relevantes para a tomada de decisões;
decisões atrasadas: sem ferramentas que automatizam a inteligência, o levantamento de informações (para composição de um relatório consolidado, por exemplo) e, consequentemente, a deliberação demandará muito mais tempo;
dificuldade de acessibilidade a dados relevantes: referências essenciais para a tomada de decisões não são encontradas ou estão espalhadas em diversas planilhas e arquivos.

Otimização de informações

Utilizar a metodologia e ferramentas de BI possibilita a coleta, armazenamento, análise e disseminação de dados e informações de forma automatizada e organizada através de relatórios, painéis e dashboards. Isso simplifica o processo e, ao mesmo tempo, o torna mais confiável.

Ter informações relevantes em tempo real e acessíveis de qualquer dispositivo significa melhoria no desenvolvimento das atividades que delas dependem. A inteligência de negócios evita que a coleta de dados seja um processo desorganizado e oneroso, que consiste em puro acúmulo de documentos.

Previsão de tendências

Quando o assunto é vantagem competitiva baseada em dados estratégicos, uma afirmação é certa: a informação só será realmente valiosa se for usada antes que os concorrentes o façam. É por isso que a previsão de tendências é tão valorizada no mercado. E o Business Intelligence tem muito a contribuir, pois permite que a empresa faça análise e previsões mais efetivas, de curto e médio prazo, graças à precisão das informações disponibilizadas. Assim, seu negócio estará sempre à frente dos concorrentes!
Mais conhecimento sobre o seu cliente

Com o Business Intelligence, é possível descobrir as necessidades dos clientes, bem como seus hábitos de consumo. Isso viabiliza a identificação do(s) perfil(is) do seu público-alvo, que podem ser utilizados em programas de fidelização, por exemplo. A empresa consegue levantar padrões de compras, hábitos, preferências e, com base nesses dados, ofertar produtos e serviços que efetivamente atendam à demanda.

Percebe o quanto essa estratégia pode ser diferencial para o futuro do seu negócio? Afinal, não há como se manter competitivo no mercado sem usar as informações disponíveis estrategicamente. No entanto, muitas empresas e seus gestores ainda enfrentam a sobrecarga de informações e a falta de habilidade de transformar dados em inteligência competitiva.

O BI soluciona esses problemas, transformando o processo informacional e melhorando, de dentro para fora, os resultados da organização, facilitando a tomada de decisões e aumentando as vendas. Ou seja, é uma estratégia poderosa para ajudar qualquer empresa a crescer.

Quer saber mais sobre como ter sucesso com o Business Intelligence?

Quando os resultados de marketing não são mensurados, ou são de forma superficial é impossível analisar o retorno financeiro. As empresas tendem a parar de investir nestas ações, mesmo que elas sejam eficazes.

Já se foi o tempo em que o departamento de marketing trabalhava suas ações sem saber ao certo como comprovar os resultados obtidos em cada ação. Atualmente, quem não tiver conhecimento sobre como entregar o ROI de campanha de marketing estará fadado a perder cada vez mais verbas.

Mas você sabe o que é o ROI? Sabe como calculá-lo e compreender seus resultados? Ainda não? Então este post foi feito especialmente para você! Venha com a gente e descubra como essa prática é fundamental.

O que é ROI?

Do inglês Return on Investment ? Retorno sobre o investimento ? ROI significa identificar qual foi o retorno obtido de determinada ação em relação ao investimento realizado.

Apesar de parecer algo muito complicado, calcular o ROI de ações de marketing é mais fácil do que se imagina: tudo o que você precisa é ter os dados e informações das ações e campanhas devidamente organizados e estruturados.

Esse é o primeiro passo para se realizar o cálculo de forma assertiva, pois qualquer investimento realizado e não registrado afasta seu resultado do cenário real. Com todas as informações em mãos, vamos aprender a calculá-lo.

Como calcular o ROI

Para realizar esse cálculo, você precisa levantar todos os investimentos em uma determinada campanha (Google AdWords, Facebook Ads, e-mail marketing, participação em feiras, etc.) e somá-los, para se chegar ao valor real do investimento total.

O segundo passo é levantar quais foram os retornos obtidos com cada investimento. Nesse ponto, é importante ter em mente que os resultados dependem do objetivo de cada campanha.

O objetivo final de uma campanha de marketing é sempre a venda, sim, mas outros, como a aquisição de leads, o aumento de visibilidade ou o aumento de tráfego em seu site também são resultados dos esforços de marketing.

Vamos ao cálculo:

ROI = (Retorno obtido – investimento) / investimento

Para ilustrar melhor o cálculo, imaginemos que sua empresa investiu um total de R$ 20 mil em uma campanha de marketing digital (consultoria + anúncios + gestão), com o objetivo de atrair mais empresas para seu site e, consequentemente, gerar mais vendas. Por meio dela, vieram 500 mil visitas, que resultaram em 13 mil compras de clientes individuais, o que rentabilizou R$1 milhão em receita. Está claro que o investimento deu retorno, não é? Mas qual foi ele? Vamos calcular:

ROI = (500.000 – 20.000) / 20.000

ROI = 980.000 / 20.000

ROI = 24

Então, para cada R$ 1,00 investido, a empresa obteve um retorno de R$ 24,00, ou seja, 2.400%. Mas isso não é tudo, veja só!

Como analisar os resultados?

O que vimos foi apenas um dos muitos resultados que podemos obter ao se utilizar essa técnica. Para complementar o ROI de campanhas de marketing, é importante calcular, ainda, outros indicadores de resultados, como o custo de aquisição de cliente (CAC) e custo por clique (CPC), por exemplo.

Para isso, vamos continuar com o exemplo acima:

Custo por clique

CPC = Investimento / volume de cliques ou visitas

CPC = 20.000 / 500.000

CPC = 0,4

Logo, cada clique custou R$ 0,40 para a sua campanha.

Custo de aquisição de cliente

CAC = Investimento / quantidade de vendas concretizadas

CAC = 20.000 / 13.000

CAC = 1,53

Segundo o cálculo, cada cliente custou R$ 1,53.

Ainda, podemos calcular qual foi a taxa de conversão (TC) de visitantes em clientes:
Taxa de conversão

TC = quantidade de vendas concretizadas / volume de cliques ou visitas

TC = (13.000 / 500.000) * 100

TC = 2,6%

Após o levantamento de todas as informações, você deverá analisar se o investimento foi positivo ou negativo e conseguirá identificar possíveis pontos a serem melhorados em suas campanhas, a fim de otimizar resultados e diminuir custos.

Para saber como gerenciar melhor as suas ações e campanhas de marketing e monitorar os resultados através do funil de oportunidades, clique aqui.