Metodologia DMP para CRM: entenda o que é e como funciona

Nos últimos tempos, muito tem sido falado a respeito da importância da coleta, gestão e análise dos dados que as empresas têm a respeito de seus clientes e prospects e como utilizar essas informações para melhoria de processos, alavancar vendas e rentabilizar as operações.

Muitas organizações contam com um grande número de dados, obtidos por meio de ferramentas próprias — como o próprio site ou um CRM —, ou mesmo dados de terceiros e de mercado, os quais precisam ser agrupados, analisados e gerenciados de forma inteligente, compartilhados com os diferentes canais e pontos de contato e utilizados de maneira segura e assertiva na comunicação com clientes e prospects.

Para estruturar corretamente as informações e fazer um bom uso da montanha de dados da empresa com foco na Gestão do Relacionamento com o Cliente é fundamental encontrar uma metodologia que facilite o processo e garanta resultados. Confira como isso pode ser feito!

O que é metodologia DMP?

Para compreender o que é a metodologia DMP é necessário primeiro compreender o seu significado e como ela foi criada.

A metodologia DMP (Deep Mapping Process) foi desenvolvida pela Trinity, com foco em empresas que desejam implementar e/ou reestruturar programas e estratégias de CRM , visando empregar mais inteligência comercial e de mercado no Relacionamento com Clientes e Prospects.

Nesse momento, a adoção de uma metodologia focada nesses dados, como é o caso da metodologia DMP, se faz necessária para auxiliar as empresas na adoção de relacionamentos estratégicos com seus clientes.

Sua premissa principal é auxiliar essas organizações a executar o projeto de CRM de maneira eficiente, por meio da compreensão do negócio e também dos processos envolvidos no marketing, vendas, serviços e demais áreas que se relacionam direta ou indiretamente com clientes e prospects.

Como funciona a metodologia DMP?

Por meio de treinamentos, workshops e estudos, a metodologia DMP visa compreender quais são as necessidades da empresa, suas principais estruturas, além de trabalhar os indicadores e definir as diretrizes estratégicas do programa de relacionamento com clientes.

Por meio dessa análise e levantamento, são redesenhados os processos e objetivos estratégicos, visando compreender os passos necessários para atingir a situação-alvo da empresa, a fim de permitir que o negócio conte com uma estrutura sólida para utilizar os dados a favor de melhores resultados.

Como ela ajuda a diagnosticar e resolver problemas da empresa?

Ao analisar os processos, ferramentas, dados e resultados, a metodologia DMP faz com que seja possível identificar os principais pontos de conflito, os gargalos de informações e, inclusive, os processos que estão atrasando ou atrapalhando o desenvolvimento da empresa.

Com isso, é possível desenvolver estratégias mais inteligentes e direcionadas para as necessidades do negócio, solucionando os problemas identificados e criando meios para que a organização se desenvolva de forma mais eficiente, com decisões tomadas com base na análise dos dados obtidos.

Para a empresa, isso significa compreender os principais pontos de melhoria e também quais os fatores mais importantes para que o negócio atinja os objetivos necessários para seu crescimento e desenvolvimento.

Quais as vantagens da metodologia DMP?

Por meio da metodologia DMP, são identificados todos os fatores de problemas e que exigem melhorias, com uma análise diagnóstica da situação atual da empresa. Mas também é desenvolvido um mapa estratégico com as ações necessárias para que a organização atinja seus objetivos.

Nesse mapa estratégico estão presentes os objetivos estratégicos do negócio, as premissas adotadas, os passos necessários para que os alvos sejam alcançados e, também, as ações necessárias nas áreas de marketing, vendas e serviços.

Nesse momento, é importante destacar que é elaborado um plano de ação detalhado para cada uma das intervenções a serem realizadas na empresa, nos gargalos e nas necessidades de melhoria.

Posteriormente, também é desenvolvida, após a aplicação total da metodologia DMP, todo o processo tecnológico que dará suporte às estratégias e necessidades do empreendimento, com o desenvolvimento do CRM adequado para as particularidades do negócio e das ferramentas necessárias para que os objetivos possam ser alcançados.

Quando implementar essa metodologia na empresa?

A implementação da metodologia DMP é recomendada quando a empresa está buscando alinhar as necessidades estratégicas, tecnológicas e de processos, visando atingir os objetivos e metas do negócio, contando com suporte especializado em cada uma das etapas.

Ela é recomendada para empresas que precisam contar com o conhecimento técnico e estratégico para realizar a análise das suas necessidades, soluções a serem utilizadas e do desenvolvimento de planos de ação que transformem os gargalos em possibilidades por meio de ferramentas, processos e conhecimento técnico.

Vale destacar que na metodologia DMP é realizado um trabalho de consultoria, em que são levantadas as diretrizes, processos, riscos e necessidades da empresa para compreensão do negócio. Posteriormente, é desenvolvido, de forma conjunta, o plano de ação com os processos necessários para sua execução, sendo um trabalho profundo e conjunto para obtenção de resultados.

Como a Trinity pode ajudar nesse processo?

Especializada na implementação e desenvolvimento da metodologia DMP, a Trinity tem como premissa fundamental auxiliar as empresas no planejamento e execução do projeto de CRM. Isso é realizado por meio de uma compreensão aprofundada do negócio e dos processos da organização.

Com o auxílio do mapeamento das pessoas, processos e tecnologias utilizadas e aplicáveis e também do levantamento das necessidades, oportunidades e riscos, a Trinity desenvolve todo o planejamento necessário para que a adoção do CRM seja realizada de maneira eficiente e com os melhores resultados.

Por meio da consultoria desenvolvida com a metodologia DMP são explorados os objetivos estratégicos da empresa, construída e desenvolvida a visão estratégica de CRM, trabalhada a construção da cultura de uso de CRM pela organização com a aplicação dos valores e crenças da empresa, com definição de objetivos de curto, médio e longo prazo, além da reestruturação de processos, ações e diretrizes estratégicas.

Esperamos que tenha gostado de entender melhor o que é a metodologia DMP, como ela funciona, as vantagens de sua aplicação e o momento adequado para sua implementação. Se você ficou com alguma dúvida ou deseja contar com o suporte especializado para a aplicação em sua empresa, entre em contato conosco!

Microsoft Power BI: Se isola como Líder no Quadrante Mágico do Gartner Group

Acaba de ser publicado o relatório do Gartner Group para Analytics e Business Intelligence Platforms e, pelo 12º ano consecutivo, a Microsoft aparece no Quadrante Mágico.

Com uma visão abrangente de produto, experiência de vendas positiva, baixo custo, experiência intuitiva para os usuários e altos níveis de satisfação, a ferramenta de Business Intelligence da Microsoft, o Power BI, é líder isolado no Quadrante Mágico de 2019.

Continue lendo e descubra o que faz do Power BI a plataforma mais bem posicionada no mercado de Analytics e Business Intelligence.

O Relatório do Gartner

Todo ano o Gartner Group realiza estudos sérios e aprofundados que avaliam ferramentas de mercado e dos mais diversos segmentos para ajudar empresas em suas decisões de compra. Uma das categorias é a que avalia Plataformas de Business Intelligence e Analytics.

Neste mercado repleto de fornecedores, são avaliadas grandes e consolidadas empresas até novos entrantes. Os fornecedores tradicionais de plataformas de BI evoluíram para incluir uma moderna descoberta de dados baseada em imagens, governança e análises aumentadas. Já os mais novos se concentram no desenvolvimento de agilidade, governança, escalabilidade, publicação e compartilhamento.

O Santo Graal das Plataformas de Analytics e Business Intelligence – ou seja, a solução mais bem posicionada no quadrante mágico – é aquela que condensa numa plataforma única e integrada, todos os recursos mais desejados e que ainda disponibiliza os melhores recursos emergentes da categoria.

O Que as Empresas Buscam nas Plataformas de BI?

O Gartner Group define os critérios de seleção de fornecedores e avaliação das plataformas com base numa extensa pesquisa de mercado, que reflete exatamente aquilo que os clientes e compradores desejam e esperam de soluções modernas de Analytics e Business Intelligence:

  1. Experiência do Cliente: Capacidade da solução em gerar benefícios para o negócio, combinado com disponibilidade de recursos e ferramentas de capacitação do usuário, consultas por voz, construção de análises arrasta e solta, descoberta de dados manual e automática.
  2. Operações: Qualidade do produto, recursos de suporte e facilidade de migração.
  3. Experiência de Vendas: Satisfação no processo de pré-venda, facilidade de contratação, preço, gerenciamento de contas, facilidade de aquisição/cancelamento de licenças e assinatura.
  4. Compreensão de Mercado: Facilidade de uso para consumidores e desenvolvedores, apelo visual, facilidade de uso para administração e implantação além da capacidade de atender tanto cenários que exigem previsibilidade e estabilidade, quanto cenários exploratórios e de experimentação.
  5. Complexidade de Análise: Facilidade de lidar com dados complexos, capacidade de manipulação destes dados, formas de análises interativas e análises aumentadas, o que inclui a variedade de conexão com fontes de dados, capacidade de combinar várias fontes, análises preditivas, mineração de dados, machine learning, entre outras.
  6. Habilitação do Usuário: Documentação, tutoriais on-line para autores de conteúdo, tutoriais on-line para consumidores, comunidades on-line, conferências, treinamento, e-learning e disponibilidade das habilidades do fornecedor e do mercado em geral.
  7. Benefícios Comerciais: Aumento de receita, decisões melhores e mais rápidas, maior satisfação do cliente final, redução de custos e despesas de TI, expansão dos tipos de análises de negócios, melhores informações para mais pessoas, vinculação de KPIs aos objetivos corporativos, monetização de dados.

O Poder do Power BI

O Power BI, solução de Analytics e Business Intelligence da Microsoft analisada pelo Gartner Group aparece como líder isolado. Com um roteiro abrangente e visionário para a evolução do produto cujo objetivo principal é globalizar e democratizar o Business Intelligence, a forte aceitação e adoção do Power BI e os altos níveis de satisfação dos usuários continuam crescendo cada vez mais.

Além da facilidade de preparação de dados, descoberta de dados baseada em visuais, painéis interativos e análises aumentadas num único produto, a solução Power BI Desktop permite que os usuários avançados executem mashups de dados complexos que envolvem diversas fontes de dados locais e também pode ser usado como uma ferramenta de análise pessoal autônoma e gratuita.

O grande poderio do Power BI enquanto plataforma de Analytics e Business Intelligence está essencialmente no seu baixo custo, na experiência positiva de vendas, na facilidade de uso para diversas e complexas análises, na comunidade de usuários robusta, ativa e engajada, no investimento visionário que tem sido feito pela Microsoft em recursos inovadores como, serviços cognitivos, análises de sentimento e imagem, machine learning, inteligência artificial, tudo isso para ser usado por pessoas com habilidades mínimas em ciência de dados.

Embora o Power BI tenha começado a ser usado principalmente como self-service BI, os clientes de referência da Microsoft agora o utilizam principalmente para análise descentralizada (61%) e provisionamento de BI ágil e centralizado (54%).

Quer conhecer um pouco mais sobre a ferramenta líder isolada no quadrante mágico do Gartner Group para Analytics e Business Intelligence? Faça agora o Download do Power BI e crie uma conta para até 25 usuários por 30 dias grátis.

 

Fonte: https://www.gartner.com/

 

Conheça os 3 principais modelos de Dashboard

Fazer a gestão de uma empresa requer análises precisas, baseadas em dados confiáveis. Com isso, é possível monitorar os resultados e buscar a evolução constante. Ter acesso aos indicadores de forma clara e otimizar os processos internos é importante para conseguir alcançar o crescimento do negócio e, conhecer os principais modelos de dashboard e saber como implementá-los faz parte do processo de gestão dos resultados.

Ao considerarmos o grande volume de dados que hoje são produzidos diariamente nas empresas e a necessidade de tratamento, transformação e visualização destes dados percebe-se a necessidade de um painel de controle ou dashboards que permite a apresentação geral e o acompanhamento em tempo real de indicadores de performance, ou KPI’s, dos quais se fala muito hoje em dia no ramo empresarial afinal são eles o termômetro do desempenho da empresa.

Quer saber mais sobre o assunto? Então continue a leitura deste artigo. Aqui vamos apresentar a importância de trabalhar com um painel de controle, bem como mostrar que existem 3 principais modelos de dashboard, suas vantagens e como construí-los. Acompanhe!

Qual é a importância de um dashboard?

Um dashboard (ou painel de controle) é uma ferramenta que permite a visualização das informações mais importantes do negócio de uma maneira compreensível e acessível. O objetivo é gerar uma visão mais ampla, irrestrita, que contemple todas as variáveis e os fatores relevantes. Isso auxilia na tomada de decisão e nas escolhas que orientam o crescimento do negócio.

Dessa forma, é possível acompanhar e monitorar os resultados em tempo real. O acompanhamento de perto favorece as ações e mudanças estratégicas de direcionamento. Esse tipo de painel fornece o apoio necessário para que as decisões reflitam os objetivos e ajudem a companhia a evoluir.

Os dashboards refletem o estado da empresa no momento analisado e, uma vez que os indicadores e as métricas são ajustados para diferentes cenários, indica também as possíveis tendências e o que é necessário fazer para melhorar.

Em um painel, os dados — que geralmente são muitos — devem estar sempre dispostos de forma clara e contar com diversas possibilidades de visualização gráfica, para fornecer as informações relevantes e tornar o entendimento delas ainda mais fácil. Com sistemas de Business Intelligence, é possível definir também uma hierarquia de indicadores e métricas, a fim de saber quais são os mais relevantes e como apresentá-los no dashboard considerando a relevância, periodicidade de atualização e característica da informação.

Um dos principais benefícios desse tipo de ferramenta é o fato de que os dashboards construídos em ferramentas de BI permitem estruturar bem as informações, atualizar os indicadores em tempo real e garantir a segurança da informação. Afinal, um dado sobre a organização pode ser relevante para funcionários de determinado departamento, mas não para os diretores — ou pode ser até necessário para ambos, mas deve ser analisado sob perspectivas diferentes.

Isso é justamente o que uma ferramenta de Business Intelligence consegue fazer: distribuir informações de acordo com o perfil do usuário, nível de acesso, o que ajuda a esclarecer os dados e tornar a análise mais simplificada. Por isso é importante entender qual o modelo de dashboard mais adequado para cada situação.

Afinal, mesmo com pontos de vista diferentes, é preciso garantir a integração dos setores e dos colaboradores. Todos trabalhando focados no mesmo objetivo, orientados pelos indicadores, fator este que impulsiona o crescimento saudável do negócio.

Dessa maneira, a organização consegue focar na produtividade, mas também no planejamento para o futuro e na tomada de decisões. Além disso, ganha o poder de analisar erros anteriores e conseguir mais agilidade, interatividade e eficiência.

Outro fator interessante da análise de dados através de ferramentas de business intelligence é o fato de que ela pode ser feita em qualquer dispositivo (mobilidade) e, como já falamos, em tempo real. Ou seja, os gestores ganham a capacidade de compreender o estado dos negócios a qualquer momento, de maneira intuitiva e acessível. Em decorrência disso, as decisões são mais acertadas e específicas para os problemas definidos.

Quais modelos de dashboard podemos adotar?

Um dos maiores desafios dos gestores é acompanhar os indicadores de performance de sua empresa. Já vimos a importância de ter uma plataforma completa para o monitoramento e a análise dos dados. Mas você conhece os modelos de dashboard que trabalham da melhor forma o Big Data e favorecem o monitoramento dos KPIs (Key Performance Indicators) dentro de uma plataforma de Business Intelligence?

Vamos lhe ajudar nessa tarefa! A seguir, detalhamos os 3 principais tipos de painel de controle, seus benefícios e suas características. Quer saber como eles funcionam e quando utilizá-los? Confira!

1. Dashboard Estratégico

O modelo de dashboard estratégico é o mais comum, geralmente utilizado por gerentes e executivos. Ele permite gerenciar atividades de nível superior e apresenta informações importantes sobre o desempenho geral do negócio e oportunidades.

A ferramenta exibe os grandes números da empresa e é focada no acompanhamento dos principais KPIs, como vendas ano a ano ou a satisfação geral do cliente por um período de tempo considerável. É voltada para o monitoramento dos resultados em busca dos objetivos, definidos por indicadores e métricas, a fim de impulsionar o crescimento.

Os dados estratégicos são atualizados periodicamente, mas em intervalos maiores, se comparados a outros modelos de dashboard. Esses painéis podem ser analisados uma vez ao dia, por exemplo, para monitorar o status dos KPIs da empresa de forma simples, por parte da equipe executiva.

Logo, ele é o painel ideal para análises e consultas rápidas, pois dispõe as informações sem muitos detalhes e profundidade. Uma vez que os dados são apresentados de maneira geral e atualizados com menor frequência, seu uso é destinado à tomada de decisão por parte dos gestores.

O Dashboard Estratégico pode ser dependente da interpretação de dados de outros painéis, especialmente do analítico, que veremos a seguir. Por ser utilizado no mais alto nível da hierarquia da organização, pode e eventualmente deve ser aprofundado nos níveis mais baixos da hierarquia de dados.

Os dashboards estratégicos podem ser adotados por qualquer departamento da empresa. Apresenta métrica e indicadores globais de cada área. Os chamados Big Numbers: total produzido, faturamento total, receita mensal, taxa de devolução, total de reclamações do produto, taxa de turn over, tudo isso preferencialmente em termos comparativos.

2. Dashboard Analítico

O modelo de dashboard analítico destina-se a obter uma visão geral dos dados para descobrir tendências. É o tipo de dashboard que busca explicar os dados, principalmente os apresentados no dashboard estratégico. Geralmente analisa uma quantidade imensa de dados e busca identificar padrões e tendências neles, a fim de suportar as decisões. Preocupa-se com insights, com possíveis escolhas e com os impactos associados a cada uma delas.

Com o modelo de dashboard analítico, os líderes e analistas de negócios podem ter acesso a informações específicas e detalhadas. Por exemplo: saber em quais regiões houve queda no desempenho ou se ocorreu em apenas uma loja específica. Isso é possível porque o painel de controle indica o crescimento ou a queda de lucratividade e segmenta a região, os períodos e as áreas da companhia em que isso aconteceu.

Esse modelo se importa com gráficos e demais formas de visualização dos dados, com processamento e armazenamento. Um exemplo são os relatórios, que integram e interpretam informações para fornecer suporte à tomada de decisões. São dados precisos e atualizados com frequência, normalmente através de ferramentas de Business Intelligence.

Todos os setores das empresas são beneficiados com suas análises, pois elas permitem exploração de informações, sustentando o direcionamento de estratégias específicas para cada necessidade. Entre eles podemos citar as áreas de produção, comercial,, marketing, finanças, atendimento ao cliente e recursos humanos.

Os painéis analíticos são capazes de medir diferentes fatores e métricas, em que a medição do objetivo em si não é tão importante, mas, sim, a verificação da distância entre o valor planejado e o real. Com isso, é possível estabelecer estratégias e ações táticas para reversão do cenário e alcance dos objetivos antes que uma possível crise se instale.

3. Dashboard Operacional

Esse modelo se propõe a responder a questão: “o que está acontecendo agora?”. É focado em monitorar operações do dia a dia, traçando os problemas comuns para que sejam propostas as possíveis soluções. Busca rastrear o desempenho dessas atividades diárias para manter a empresa em funcionamento.

Está preocupado com fluxo de produção, com o produto propriamente dito, com o tempo das atividades, prazos, agilidade nos processos, entre outras questões. Também lida com indicadores, principalmente para análise de erros e pontos que precisam de melhorias nas tarefas cotidianas. O objetivo é identificar falhas e gargalos e eliminá-los.

O dashboard operacional analisa cada pedido, cliente, produto especialmente. Por exemplo, o setor de vendas pode saber quantos pedidos foram realizados e em quais situações existe a possibilidade de devolução, atraso ou cancelamento. Assim, esse modelo ajuda os colaboradores a lidar diretamente com os clientes e selecionar de forma efetiva quais negociações representarão vendas efetivas e quais não.

Comparado a outros modelos de dashboard, o painel de controle operacional contém muito mais detalhes, e os dados são atualizados com uma frequência bem mais alta, como de minuto a minuto. A ferramenta é projetada para exibir o desempenho das tarefas ao longo do dia, a fim de monitorar seu progresso.

O dashboard operacional transforma o analista, gestor ou supervisor no técnico em campo, que enxerga o que está acontecendo minuto a minuto e toma decisões tempestivamente para alcançar o resultado desejado, ao invés do comentarista de mesa redonda ao final do jogo, que apenas discute o resultado, apontando o que poderia ter sido feito diferente.

Como construir dashboards eficientes?

Para organizar os dados especificamente para cada função (selecionando o que é importante para cada um), é fundamental que se tenha capacidade analítica, habilidades de organização e modelagem de dados e domínio de ferramentas de BI. Assim, consegue-se evitar erros ao definir métricas e indicadores que serão realmente relevantes para o contexto, bem como escolher formas adequadas de visualização.

Para configurar modelos de dashboard eficientes e, principalmente, ideais para a sua corporação, deve-se ter profissionais capacitados nas análises de dados e nas técnicas e ferramentas de construção. Por isso, atente-se para a escolha da equipe desenvolvedora dos painéis de controle do seu negócio. Afinal, hoje em dia não é necessário aguardar o fechamento do mês para avaliar o desempenho da sua empresa.

Cursos e treinamentos na área de business intelligence podem garantir o conhecimento efetivo para construção de dashboards que consigam, de fato, cumprir seus principais objetivos e que seja fácil de compartilhar e intuitivo para utilizar. Tudo começa com as técnicas adequadas de definição do público-alvo (a quem ele se destina), quais dados deverão ser analisados, qual é o objetivo da análise, a periodicidade da atualização e as perguntas que estarão no relatório.

Em alguns cursos, os alunos também aprendem na prática a criar bons relatórios, com o direcionamento sobre como fazer uma diagramação adequada, estabelecer uma narrativa de dados — além de como organizar as cores, o layout do painel e dispor as informações de forma clara. Da mesma forma, aprenderão a lidar com gráficos, entender a função de cada um e configurá-los para o contexto específico.

Os diferentes modelos de dashboard são fundamentais para garantir uma visão completa dos negócios e ajudar as empresas na definição do que é importante analisar em busca dos resultados esperados. Com uma ferramenta desse tipo, é possível conhecer o estado da empresa e saber o que deve ser feito para reparar problemas que atrapalham o crescimento.

Gostou deste artigo? Que tal se aprofundar mais no tema? Baixe o nosso e-book dashboards de indicadores, o que são e como criá-los, para conferir tudo sobre esse assunto.

Business Intelligence: conheça 13 vantagens para os negócios

Se você acompanha notícias sobre o universo dos negócios, certamente já deve ter ouvido falar de Big Data. Em linhas gerais, trata-se do termo que descreve a pilha imensa de dados com que as empresas têm de lidar diariamente no mercado atual.

Porém, sem ferramentas adequadas é impossível extrair valor de todo esse montante de informações. E é aqui que entra o Business Intelligence, também conhecido como Inteligência Empresarial ou Inteligência de Negócios.

As vantagens do Business Intelligence para um negócio são extensas. Por meio das ferramentas de BI é possível identificar seus clientes mais lucrativos, reconhecer pontos problemáticos em sua organização e descobrir concretamente o retorno sobre o investimento para determinados produtos.

Neste post, você poderá se aprofundar nas potencialidades do Business Intelligence e entender como elas podem ser benéficas para o seu negócio. Boa leitura.

O conceito de Business Intelligence

Para que possamos entender o conceito de Business Intelligence, primeiramente, é necessário compreender que o poder dos dados é relativo. Ficou confuso? Então, imagine o seguinte cenário: nos computadores ou no arquivo de sua empresa há, por exemplo, uma série de informações sobre seus clientes.

O único problema é que esses dados estão desordenados, distribuídos por diferentes fontes e em diversas linguagens, de modo que a sua equipe de negócios consegue extrair pouco ou mesmo nenhum valor dessas informações.

Nesse específico exemplo, o poder dos dados é nulo ou bastante reduzido. Graças, porém, aos sistemas de Business Intelligence, é possível transformar esse cenário. O papel do BI é o de justamente transformar dados brutos em informações valiosas.

E como ele faz isso? Por meio da coleta, da organização e da análise destes dados, os quais, posteriormente, vão ser esmiuçados pelos tomadores de decisão das empresas.

É importante destacar que há ferramentas de Business Intelligence para diferentes contextos — de código aberto a proprietárias, de soluções locais a soluções em nuvem.

A diferença no investimento inicial, custo de manutenção e tempo de implantação pode ser bem grande, por isso é bom conhecer bem as opções antes de iniciar um projeto de BI.

Os principais benefícios que você pode obter com ferramentas de Business Intelligence

Agora que você já compreende bem o conceito de Business Intelligence, nós listamos 13 vantagens que as ferramentas e os sistemas de inteligência empresarial podem oferecer para a sua empresa.

1. Melhoria na tomada de decisões

Muitas vezes, os executivos tomam decisões com base em seus melhores palpites e em suas intuições. O que acontece é que essas escolhas podem ser imprecisas, já que não foram completamente baseadas em dados concretos.

Em outras palavras, informação é poder. Com a transformação dos dados brutos em conteúdo estratégico, os gestores terão base para tomar decisões efetivas que gerem o crescimento da sua empresa.

2. Aprimoramento do planejamento estratégico

Com uma tomada de decisões mais eficiente, é possível ter uma visão mais ampla dos próximos passos da organização e, consequentemente, elaborar um planejamento segundo premissas bem estruturadas.

3. Otimização de processos

Outra vantagem importante está relacionada à velocidade dos processos e das rotinas da empresa, uma vez que o empreendedor deixa de, simplesmente, agir de acordo com medidas de tentativa e erro. Suas ações passam não só a ter mais objetividade, mas também, mais eficiência.

4. Maior entrega de resultados

Processos eficientes são sinônimos de maior produtividade. Todos os passos anteriores se traduzem em uma maior entrega de resultados que impactará positivamente em todas as áreas da organização.

5. Redução de custos e aumento dos ganhos

Uma das vantagens do Business Intelligence é a identificação de eventuais gargalos nos processos que, se corrigidos, podem reduzir custos operacionais. Além disso, um ciclo com um planejamento eficiente, processos ágeis e tomadas de decisões mais acertadas poderá gerar maior entrega de resultados.

Isso, consequentemente, tenderá a alavancar o faturamento de sua companhia, ocasionando ganhos em diversos aspectos organizacionais.

6. Maior facilidade de prever demandas

Graças ao melhor processamento de dados, especialmente aqueles oriundos de históricos e relatórios de vendas, fica mais fácil prever demandas de consumo. Desse modo, sua empresa poderá se preparar melhor para épocas de sazonalidade, quando as compras se elevam ou diminuem consideravelmente.

7. Suporte para descoberta de novas tendências e oportunidades de negócios

Uma solução de BI é capaz de fazer análises mais acuradas sobre dados de vendas, marketing e sobre o comportamento dos consumidores. Quando aliados às pesquisas de mercado, os resultados podem ajudar a empresa a mapear tendências, cenários e descobrir novas oportunidades de negócios.

Também possibilitam um planejamento mais adequado de ofertas e promoções que realmente colaborem para elevar as vendas e, consequentemente, o faturamento do empreendimento.

8. Obtenção de importantes indicadores de desempenho

Sistemas de BI geram indicadores de desempenho sobre rotinas e processos, permitindo a mensuração adequada de seus resultados e performances. Com base nessas informações, é possível planejar e estruturar fluxos de trabalho mais eficientes, além de reorganizar os existentes que não correspondem às expectativas da empresa.

Você também terá acesso à estatísticas, cálculos, gráficos, entre outros instrumentos que cooperam na obtenção de números e índices sobre diferentes aspectos do empreendimento. Graças a isso, poderá tirar dúvidas sobre o volume de vendas, desempenho de equipes, margens de crescimento etc. em apenas alguns minutos.

9. Mais interação entre as equipes

O sonho de todo CEO é gerir uma organização em que todos os departamentos estão na mesma página, caminhando juntos em direção às metas com rapidez e eficiência.

Com uma solução de BI, que centraliza os dados, no entanto, as paredes podem ser quebradas. Oferecer uma versão da verdade torna as discussões mais acionáveis ??e os argumentos mais justificáveis.

10. Melhoria em vendas e negociações

Um sistema de business intelligence pode ser um ativo valioso para a força de vendas de uma empresa, pois fornece acesso a relatórios atualizados que identificam tendências de vendas, melhorias ou acréscimos de produtos, preferências atuais dos clientes e mercados inexplorados.

Além disso, esses dados detalhados e atuais também são um valioso backup para negociações com fornecedores ou outros parceiros.

11. Melhor gerenciamento de estoque

Com um software de business intelligence, você pode solicitar o nível certo de estoque a qualquer momento e garantir que os clientes recebam seus produtos quando precisarem deles. Isso permite a eliminação de gastos de armazenamento e um gerenciamento mais voltado para a melhoria dos seus negócios.

12. Consolidação rápida e fácil de dados

Com um sistema automatizado de coleta de informações você pode consolidar dados de várias fontes diferentes tão facilmente quanto se estivessem no mesmo servidor.

Se você puder diminuir o tempo que normalmente gastaria para fazer esse processo e gastar mais tempo melhorando a empresa, certamente encontrará um impacto maior em sua linha inferior e, eventualmente, verá uma companhia mais bem-sucedida.

13. Compreensão do passado, do presente e do futuro da empresa

Talvez essa seja a vantagem mais significativa dos sistemas de inteligência de negócios. Os sistemas de BI podem ajudar uma empresa a entender melhor as estatísticas de mercado em um determinado período.

Os dados que refletem o progresso das empresas podem ser usados ??para planejamento futuro a fim de tornar a negócio mais competitivo. O benchmarking desse progresso também é mais fácil com um sistema de BI implantado.

Como o Business Intelligence facilita a rotina na gestão empresarial

Além das vantagens citadas acima, o Business Intelligence é capaz de facilitar a rotina dos gestores de uma companhia em várias atividades. Confira algumas logo abaixo.

Automatização da elaboração de documentos gerenciais

A principal simplificação entregue por uma solução de BI é a automatização de relatórios, análises, históricos, entre outros documentos gerenciais. Isso agiliza a busca, organização e estruturação de informações operacionais, táticas e estratégicas.

Desse modo, os colaboradores, antes encarregados dessa função de coleta e montagem de relatórios, podem direcionar esforços para atividades corporativas de maior valor agregado.

Integração de dados de diferentes departamentos

Uma ferramenta de Business Intelligence consegue integrar dados de setores distintos da organização em uma visão unificada. Isso faz com que a gestão do negócio se torne mais efetiva, além de aproximar gestores para a formação de uma inteligência coletiva que explore soluções, ideias e novos pontos de vista em seus processos.

Dessa forma, tanto líderes quanto liderados passam a colaborar para a elaboração de estratégias mais acertadas, ou seja, diminui um pouco o fardo de cada gestor, que passa a contar com maior apoio.

Padronização das informações

As informações geradas por um sistema de BI costumam ser padronizadas em documentos e diretrizes. Dessa forma, fica mais fácil a avaliação pelos gestores e demais funcionários da empresa. Isso evita alguns erros de interpretação e falhas comunicacionais que podem comprometer decisões, estratégias e a execução de processos internos e externos.

Como implementar um sistema de BI no seu negócio

A implementação de business intelligence é um processo abrangente, incluindo muitas etapas, que podem diferir dependendo da abordagem. Esses estágios podem ocorrer um após o outro ou coincidir.

A solução escolhida depende dos detalhes da implementação e, geralmente, consiste nas seguintes etapas:

  • Planejamento: criação de um plano para o projeto e definição da arquitetura do depósito dos dados digitais (data warehouse), medidas técnicas, tarefas etc.
  • Análise e coleta de requisitos: entendimento das necessidades de negócios e dos requisitos dos usuários.
  • Criando o banco de dados: criando medições e tabelas de fatos.
  • Obtenção de dados dos sistemas de origem: localização das fontes de dados e análise de suas estruturas, identificação da operação de transformação e limpeza para garantir a consistência e qualidade dos dados.
  • Fornecimento do data warehouse: separação, transformação e introdução do processo.
  • Automatização de processos: automação e agendamento de suplementação do warehouse.
  • Criação de um conjunto inicial de relatórios: preparação de modelos de relatórios.
  • Controle de exatidão e teste de dados: controle sobre as operações do banco de dados, usando os relatórios previamente preparados e os processos de correção.
  • Treinamentos: para os usuários e administradores.

Antes da implementação do sistema de BI é possível especificar os KPIs desse processo. Isso ajudará a avaliar os resultados da implementação. Medidas quantitativas e qualitativas podem ser usadas.

Resultados que podem ser alcançados com o emprego de BI nos negócios

Os resultados que seu negócio pode alcançar são amplos, tais como:

  • maior agilidade na busca e obtenção de informações;
  • melhor direcionamento de investimentos financeiros e demais recursos (tempo, insumos, mão de obra);
  • redução de custos graças à possibilidade de encontrar e eliminar ineficiências mais facilmente;
  • tomada de decisão com maior embasamento;
  • maior inteligência competitiva nos negócios;
  • visão geral sobre o desempenho da empresa e específica em relação às performances individuais de setores, equipes e colaboradores;
  • planejamento de orçamentos mais condizentes com as necessidades de cada setor;
  • melhora no entendimento sobre os números do negócio etc.

Segundo uma pesquisa da Gartner, divulgada em fevereiro de 2017, 36% dos 227 líderes de TI da América Latina que foram entrevistados consideravam o investimento em BI (e Analytics) como uma de suas 3 prioridades de aplicação nesse mesmo ano. Isso significa que tal tecnologia já começa a ser percebida como essencial por muitos gestores e negócios não só dos centros europeus e norte-americanos.

Contudo, vale salientar que, no Brasil, o Business Intelligence tem a vantagem de ser um diferencial competitivo, uma vez que ainda há muito espaço para implementação de sistemas no país.

Quer iniciar agora uma estratégia baseada nas vantagens do Business Intelligence em sua empresa? Comece baixando o nosso guia com um passo a passo para escolher uma ferramenta de BI.

 

CRM como ferramenta estratégica: conheça 3 vantagens!

A preocupação em atender o cliente da melhor forma possível, desenvolvendo laços de relacionamento e tornando os processos de compra mais humanizados e duradouros, aumenta o ticket médio, torna a aquisição de clientes mais barata, reduz o ciclo de vendas e promove a retenção e rentabilização de clientes. Por essas razões, a adoção de sistemas de CRM como ferramenta estratégica para o negócio é essencial para facilitar o desenvolvimento e crescimento de empresas preocupadas com a gestão do relacionamento com clientes.

No entanto, muitas empresas ainda desconhecem o uso do CRM como ferramenta estratégica e as vantagens que esse tipo de sistema permite obter, enquanto muitas, não consideram o investimento necessário para a prática dos seus negócios.

O objetivo deste artigo é explicar de forma resumida o que é e como usar o CRM como ferramenta estratégica em sua empresa e quais impactos positivos que ela oferece. Confira!

Entenda o que é CRM e a sua importância

Quando falamos de CRM, estamos tratando de uma filosofia de negócios, normalmente suportada por um software de Gestão de Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management, na sigla em inglês), o que significa que o principal foco de seu uso está em tornar a satisfação e fidelização do consumidor em uma tarefa mais simples e eficiente.

Isso acontece pela automatização e organização dos processos de vendas, atendimento e relacionamento com o cliente, auxiliando tanto na redução de custos quanto no aumento da satisfação dele, aumentando o lucro dos negócios, os índices de fidelização e a reputação da empresa como um todo.

Vantagens da adoção de CRM como ferramenta estratégica

Para entender como o uso do CRM como ferramenta estratégica dentro de uma empresa, é interessante compreender quais são as principais vantagens de sua adoção. Listamos algumas das mais pertinentes abaixo.

1. Centralização das informações importantes

Uma das principais vantagens do uso de um sistema de gestão integrado de relacionamento com o cliente está na centralização das informações importantes sobre ele, refletindo nos dados de consumo, nos chamados realizados, nas solicitações de suporte, nos pedidos de compra, dentre outros, os quais passam a estar unificadas em um único ambiente, facilitando a localização, a consulta e a análise. Com a adoção do CRM, a empresa passa a ter uma visão completa e 360 graus do cliente. Isso significa que dados pulverizados pela organização estarão acessíveis num sistema único cujo acesso pode ser concedido ou restrito em razão do perfil do usuário.

2. Visão ampla e facilitada do negócio

Outra vantagem estratégica do uso de CRM como ferramenta dentro da empresa está em permitir uma visão mais ampla e acessível do negócio aos gestores e tomadores de decisão, que podem fundamentar suas decisões, investimentos e planejamentos em dados claros e de fácil obtenção. Além da visão 360º do clientes, os sistemas de CRM permitem realizar o monitoramento dos processos e principais resultados de marketing, vendas e serviços, em tempo real, além de agilizar a tomada de decisão para correção de ações com foco nas conversões, vendas e atendimento.

3. Fidelização e construção de relacionamento com o cliente

Como é possível perceber, a adoção de um CRM como ferramenta estratégica dentro das empresas apresenta grande importância prática, que se traduz em vantagem financeira e benefícios para os resultados, já que reduz custos, aumenta a qualidade do trabalho desenvolvido e permite mais controle e ciência do que está acontecendo em cada setor.

Por meio da análise das vantagens que citamos sobre o CRM como ferramenta estratégica, é possível afirmar que o uso dessa ferramenta vai além da gestão dos contatos de clientes, se tornando uma verdadeira aliada na gestão de negócios e ajudando a sua empresa a ser mais ágil, moderna e competitiva, entregando maior valor através da construção de relacionamentos mais sólidos e duradouros com a sua base de clientes.

Agora que você já conhece algumas vantagens de utilizar o CRM como ferramenta estratégica para seus negócios, talvez você queira saber Como implementar um CRM de maneira eficiente.

Nova lei de proteção aos dados: como ela influencia sistemas de CRM?

A lei de proteção aos dados foi aprovada pelo Senado Federal em julho, trazendo mudanças consideráveis na maneira com que informações pessoais dos usuários devem ser tratados a partir do início de sua vigência, previsto para 2020, mas que já deve estar no radar das empresas que lidam com dados de seus clientes, prospectos de venda ou contatos comerciais.

A nova legislação desperta dúvidas nas empresas, que deverão adequar seus sistemas e bancos de dados, de maneira a satisfazer as exigências legais estabelecidas pelo novo texto.

Para garantir que a empresa atue de forma a respeitar essa mudança, é necessário entender o que diz a lei de proteção aos dados, quais seus impactos na atuação empresarial e sua influência nos processos e sistemas de CRM. Tratamos desses questionamentos agora, em nosso artigo. Acompanhe!

O que diz a lei de proteção aos dados?

A nova legislação sobre os dados pessoais traz diversas mudanças na maneira como as empresas coletam, armazenam e avaliam as informações obtidas, alterando também a maneira com que elas podem ser coletadas e tratadas, tanto pelas empresas quanto pelo Poder Público, representando mudanças também para os usuários.

Em termos gerais, a nova legislação muda como as empresas poderão, legalmente e dentro do previsto na nova regulamentação, usar os dados pessoais dos consumidores. Do ponto de vista do usuário, a maior mudança está na maneira como ele poderá ter acesso às informações pessoais que as empresas têm a seu respeito.

Já para as empresas, a grande mudança está na maneira de fornecer as informações, que deverá ser feita de forma clara, descomplicada e objetiva. Isso significa que será necessário adotar novos padrões de comunicação, formulários de aquisição de dados mais claros e objetivos e estabelecer diretrizes para que os usuários possam ter acesso às informações coletadas pelas empresas.

Quais as principais mudanças trazidas pela nova lei?

Existem alguns pontos de grande importância no novo texto legal e que merecem consideração pormenorizada para garantir sua compreensão, já que muitas das mudanças previstas pela legislação podem parecer nebulosas. Listamos alguns deles abaixo. Veja!

Fim dos termos que ninguém lê

De acordo com o previsto na lei de proteção aos dados, passa a ser proibido o uso de termos de serviço generalistas e que permite à empresa obter todo tipo de dado do usuário, sob alegação de melhoria de serviço ou compartilhamento com terceiros. Passa a ser necessário esclarecimento de cada um dos pontos de coleta de informações, sendo necessário também que o usuário conceda sua permissão expressa e específica para cada tipo de uso.

Como novidade, a legislação também prevê a possibilidade de obtenção de consentimento por outras formas que a assinatura formal, como no uso de vídeo, por meio de ícones interativos ou mesmo por comunicação com robôs (como os chatbots).

Maior controle no uso de dados sensíveis, como CPF e informações de saúde

Outra mudança de impacto considerável está na exigência de que seja informado ao cidadão qual a finalidade da coleta e aquisição de dados sensíveis, como CPF, histórico de saúde, orientação sexo, religião, posição política, dentre outros.

Também passa a ser obrigatório às empresas informar o tratamento ou não dos dados coletados, o que significa que empresas que utilizam essas informações para análises de estratégia comercial deverão ser explícitas em seu objetivo, para que o consumidor decida se deseja ou não compartilhá-las.

Também é vedado por lei vender ou compartilhar dados de saúde com planos médicos ou seguradoras, tendo em vista estar proibido o uso e o compartilhamento desses para obtenção de vantagem econômica. Com isso, passa a ser exigido das empresas cuidado com o tratamento das informações obtidas, para que seu uso não configure utilização indevida ou mesmo fira o determinado pela nova legislação.

Possibilidade de portabilidade de dados pessoais

Com o início da vigência da nova legislação, passa a ser facultado ao consumidor a possibilidade de pedir que seja realizada portabilidade dos dados pessoais de uma empresa para outra. Com isso, será possível que o consumidor solicite que seus dados de um serviço sejam migrados para outro, mesmo que concorrente, enquanto também lhe será permitido solicitar a exclusão ou anonimização das informações coletadas por determinada empresa.

Também será necessário, por parte das empresas, criar meios para que esses dados possam ser portados, transferidos ou excluídos de prontidão perante solicitação do usuário ou cliente, já que a recusa ou a mora em tais procedimentos podem acarretar sanções para as mesmas.

Qual a influência sobre os processos e sistemas de CRM?

As empresas que se utilizam de processos e sistemas de CRM ainda têm dúvidas a respeito da influência da nova legislação para suas operações e atividades, já que muito ainda precisa ser discutido e esclarecido pelos órgãos normativos até que a lei seja aplicada e entre em vigor.

No entanto, dentre as dúvidas mais comuns está o impacto na estrutura e no funcionamento dessas ferramentas para as empresas, já que a possibilidade de alteração, portabilidade ou exclusão de dados por parte do cliente exige mudanças estruturais e ferramentais dentro dos CRMs, especialmente sobre como esses processos deverão ser realizados.

Além disso, não está claro se o registro de vendas e negociações, por exemplo, poderá ser realizado da maneira como é feito atualmente ou se será necessário autorização específica do comprador, tendo em vista que a empresa tem o direito de armazenar informações a respeito daquilo que foi adquirido dela, mas existem dúvidas sobre até onde vai esse direito e como ele contrasta com o que estabelece a nova legislação.

Como é possível perceber, a nova lei de proteção aos dados traz mudanças significativas e sensíveis à manutenção das informações de clientes e consumidores, exigindo reflexão e cuidado por parte das empresas. É necessário que os sistemas de CRM estejam alinhados com a nova legislação, visando transparência, ética e respeito aos dados coletados.

O que você achou de entender melhor o que diz a lei de proteção aos dados e sua influência nos processos e sistemas de CRM? Caso tenha ficado com alguma dúvida, entre em contato conosco agora mesmo!

Entenda como utilizar BI para conquistar e reter clientes

O BI (Business Intelligence), como o nome já demonstra, é uma inteligência voltada para empresas. Estamos falando de análises inteligentes dos negócios efetuadas através do cruzamento de dados internos e externos, suportados por boas ferramentas para entender os resultados e as operações da empresa e montar um planejamento delineando as próximas estratégias.

A grande importância desse cruzamento de dados está em fazer com que a empresa se volte um pouco mais a compreender o comportamento e as necessidades dos clientes já existentes uma vez que essas informações ajudarão a fidelizar aqueles que já se relacionam com seus negócios.

É claro que essa análise de dados também pode ser utilizada para conquistar novos clientes. A partir das informações coletadas dos clientes já existentes, é possível traçar um perfil mais fidedigno do público-alvo da empresa, ou seja, dos seus clientes mais rentáveis e “clonar” este perfil, direcionando ações de captação para potenciais clientes com perfil semelhante. Dessa forma, usar o BI no cruzamento de dados de clientes também é uma maneira de se destacar na concorrência.

Quer entender um pouco mais sobre esse assunto? Então, continue a leitura e descubra agora como fazer o cruzamento dessas informações e utilizar essa técnica a favor do seu empreendimento. Acompanhe!

Como realizar o cruzamento de dados por meio do BI?

O BI oferece esse serviço da seguinte maneira: digamos que uma empresa tenha diversos departamentos — vendas, marketing, logística, cobrança e outros — e cada um deles tem determinadas informações a respeito dos clientes. O BI consegue integrar esses dados e, a partir disso, a empresa consegue tomar decisões mais acertadas, com uma menor margem de erro.

A questão agora é: onde estarão esses dados iniciais? Bom, nesse caso, a sua empresa já precisa ter estes dados armazenados de forma estruturada. Pode ser em sistemas, como ERP (Sistema Integrado de Gestão Empresarial), CRM (Gestão de Relacionamento com o Cliente) e DW (Armazém de Dados) ou até mesmo em planilhas Excel. Outras fontes de dados possíveis que podem trazer informações valiosas são as estatísticas do seu site, do blog, das suas redes sociais e outras mais que tiver acesso.

Esses dados internos também pode ser cruzados com os externos. Por exemplo, pode ser interessante conhecer um pouco mais sobre as características da população em determinada região. Por isso, utilizar informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) pode ser uma boa estratégia para entender ainda mais o seu negócio.

Por que utilizar o BI nesse processo?

Muitos acham que o BI é desnecessário e que utilizar o cruzamento de dados de maneira “crua”, ou seja, sem aplicar os conceitos e ferramentas de Business Intelligence, é uma opção. Mas, vamos mostrar a você agora por que utilizar o BI é a melhor escolha. Veja!

Melhora a eficiência

Com a ajuda do BI, os gestores conseguem identificar um problema em tempo real e resolvê-lo de maneira mais rápida, monitorando o painel de controle pelo próprio ceular. Outra vantagem é que essas informações podem ser compartilhadas rapidamente, fazendo com que mais cabeças tentem resolver o mesmo problema.

Reforça o processo de trabalho

A introdução do BI na análise de dados da empresa permite que a equipe não foque apenas nos números mais sim em criar estratégias e soluções. Outro ponto é que os gestores de cada área conseguem fazer ajustes em erros durante o processo, evitando que um problema maior seja criado na outra ponta.

Aumenta o conhecimento sobre o cliente

Quer ter sucesso no seu empreendimento e conquistar cada vez mais clientes e, ainda mais importante, fidelizá-los? Então, conhecê-los ao máximo é a melhor opção. Essa análise feita por meio do BI permite que a empresa conheça cada vez mais o cliente e, assim, possa oferecer o que ele realmente precisa.

Percebeu como o cruzamento de dados associado ao BI é importante para qualquer empresa? Além de todas essas vantagens já citadas, você ainda garante a otimização dos custos, evitando que os gastos sejam além do esperado e mantendo o equilíbrio financeiro da empresa.

Quer mais dicas de ferramentas e fatores a considerar no cruzamento de dados? Então Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos todo mês no seu e-mail.

SAC 4.0: entenda o que é e como fazer o monitoramento!

Um dos maiores desafios das empresas está em oferecer ao cliente um atendimento ágil, de qualidade e que atenda suas demandas e necessidades. Mas a adoção de práticas inteligentes e modernas, como o chamado SAC 4.0, permite mudar a experiência do cliente e oferecer o atendimento que ele deseja.

Atualmente, os clientes querem, cada vez mais, um atendimento ágil, cômodo e personalizado, que ofereça soluções para suas demandas por meio das ferramentas de contato escolhidas por ele, transformando a dinâmica que antes repousava no contato telefônico e nas esperas infindáveis nos call centers.

Explicamos agora o que é SAC 4.0, quais são as bases desse novo tipo de atendimento ao cliente e também qual a relação entre o SAC 4.0 e as ferramentas de Business Intelligence. Confira abaixo e ótima leitura!

Entenda o que é SAC 4.0

Com a evolução dos meios de comunicação e com o acesso cada vez mais frequente do público às ferramentas como a internet, também se faz necessário que os sistemas, plataformas e estruturas de atendimento ao cliente evoluam, acompanhando a demanda dos clientes e oferecendo soluções que os atendam.

Nesse sentido, o SAC 4.0 está diretamente ligado ao conceito de omnichannel, no qual o atendimento ao cliente deve ser oferecido por meio de diversos canais, cabendo ao cliente escolher o mais conveniente para sua comunicação com a empresa.

A empresa deve estar preparada para atendê-lo nos canais escolhidos, mas também deve integrar os canais de atendimento, para que a experiência do cliente seja única e integrada, sem interrupções.

Saiba quais as bases desse tipo de atendimento

Compreendido o conceito de SAC 4.0 e suas implicações, é importante entender quais são suas principais bases e como elas devem estar conectadas aos processos de atendimento de sua empresa. Entenda!

Valorização dos dados

Uma das grandes mudanças com relação aos serviços de atendimento tradicionais, o SAC 4.0 exige que os dados dos clientes sejam analisados e geridos de forma inteligente. Isso significa que é importante valorizar os dados, de forma metódica, dinâmica e aprofundada, por meio de ferramentas de Big Data e BI, que permitem armazenar e analisar os dados obtidos.

Com isso é possível oferecer uma experiência unificada e fluida ao cliente, mas também se aprofundar em seu comportamento, entender sua jornada de compra e fundamentar a tomada de decisões em dados concretos.

Inteligência artificial

Também é válido destacar que o SAC 4.0 permite aplicar com sucesso o uso da inteligência artificial, automatizando processos repetitivos e garantindo que seus colaboradores possam focar inteiramente nos processos importantes e que exigem o toque e o conhecimento humanos.

Treinamento da inteligência natural

Além do uso da inteligência artificial, é fundamental treinar e capacitar os colaboradores, para que eles se beneficiem das ferramentas de inteligência artificial e desempenhem papéis cada vez mais importantes dentro da empresa.

Compreenda a relação entre SAC 4.0 e BI

Por exigir o conhecimento e a análise de dados de forma mais aprofundada, o SAC 4.0 se beneficia fortemente da aplicação de ferramentas e processos de Business Intelligence, já que o fluxo e o volume dos dados disponíveis demanda auxílio tecnológico para serem analisados de forma eficiente.

A aplicação de plataformas e sistemas de Business Intelligence é uma das ferramentas mais importantes para o monitoramento do SAC 4.0 pois consegue integrar e cruzar dados do CRM, ERP, Redes Sociais, Website, Sistemas de Telefonia, Sistemas de Atendimento via Chat tudo em prol de uma melhor análise do perfil, comportamento e necessidades dos clientes, do negócio e do mercado, propiciando uma compreensão dos cenários, das tendências e, principalmente, gerando insights para potencializar os resultados do departamento e da empresa como um todo.

Gostou do artigo sobre o que é SAC 4.0 e quais são as principais bases desse tipo de atendimento? Então talvez queira receber nosso guia Tudo o que você precisa saber para estruturar o Atendimento ao Cliente! Clique e receba gratuitamente no seu e-mail.

Quais os melhores kpis de vendas? Conheça agora!

A gestão eficiente de um negócio é um dos grandes segredos para seu sucesso. Para essa gestão eficiente, no entanto, é necessário monitorar constantemente o desempenho da empresa. E isso significa que é importante conhecer os principais kpis de vendas para avaliar o negócio de maneira apropriada.

Os indicadores de vendas são aliados importantes nesse processo e permitem desenvolver estratégias mais eficientes e que convertem mais, melhorando, com isso, os resultados da empresa.

Explicamos agora qual a importância dos kpis de vendas e também apresentamos os principais indicadores que você precisa conhecer. Confira abaixo e ótima leitura!

A importância dos kpis de vendas

Para compreender os melhores kpis de vendas, é importante primeiro entender o que a sigla significa e qual sua importância para sua empresa. Quando falamos de kpis, estamos falando dos “Key Performance Indicators” ou “Indicadores-Chave de Performance”. Isso quer dizer que os kpis de vendas são os indicadores mais importantes e relevantes para a avaliação e tomada de decisão dentro do setor.

Como o próprio nome diz, os kpis são os indicadores fundamentais para seu negócio, o que significa que devem ser monitorados constantemente, visando obter uma visão clara e atualizada dos setores importantes da empresa. No caso dos indicadores de venda, essa visão permite entender como está o ciclo de vendas e o desempenho do setor comercial como um todo.

Os principais kpis de vendas que você deve conhecer

Agora que você entendeu melhor o que são kpis de vendas e sua importância para a performance da empresa, listamos alguns dos principais indicadores que você deve ficar atento para acompanhar o desempenho da empresa com relação às vendas. Confira!

Taxa de conversão

A taxa de conversão, também conhecida por taxa de sucesso em vendas, demonstra quantas oportunidades foram convertidas, de fato, em vendas consolidadas. Isso permite compreender como está a efetividade da equipe de vendas, quantas oportunidades estão sendo fechadas e também entender dificuldades potenciais de cada vendedor, permitindo realizar ajustes e treinamentos.

Custo de aquisição por cliente

Outro dos kpis de vendas que você deve conhecer e acompanhar é o custo de aquisição por cliente, também conhecido pela sigla CAC. Esse indicador permite entender o investimento médio da empresa por cliente convertido, levando em consideração todos os investimentos com marketing, comunicação, ferramentas e processos.

Taxa de churn

Também é importante destacar como indicador fundamental para o sucesso da equipe de vendas a temida taxa de churn — churn pode ser traduzido como rotatividade ou evasão — de seus clientes, já que ele permite entender situações em que o consumidor está descontente e também se sua empresa está convertendo mais ou menos do que perdendo clientes ao longo dos meses.

Como é possível perceber, adotar métricas para acompanhar as vendas de sua empresa é um processo necessário e que facilita a mensuração dos resultados, o acompanhamento das ações e a adoção de estratégias para torná-la mais eficiente e rentável.

O que você achou de entender melhor e conhecer os principais kpis de vendas e como aplicá-los em sua empresa? Se você gostou, aproveite para saber também a importância do coaching em vendas e por que você deve contratá-lo!